Um século de Gonzagão

Livro Vida e Obra de GonzagãoMuitos livros já foram escritos sobre Luiz Gonzaga. Na literatura de cordel, então, é impossível precisar a quantidade de folhetos que enfocam o Rei do Baião. É a personalidade musical mais biografada, ao lado de Roberto Carlos e Raul Seixas. Antecipando as comemorações do centenário de nascimento deste grande artista pernambucano, a Ensinamento Editora, de Brasília-DF, acaba de lançar Vida e Obra de Gonzagão, assinado por Cacá Lopes, que passou quase uma década gerando as quase 400 estrofes escritas em seis versos. Desde o nascimento na fazenda Caiçara, município de Exu, no sertão de Pernambuco, até a morte no Recife, passando pelas influências de dezenas de artistas brasileiros e homenagens póstumas, a impressionante trajetória do Rei do Baião ganha seu mais completo registro em cordel.










A responsabilidade de Cacá Lopes é grande, portanto, é enorme. E ele não se fez de rogado. Muitas são as estrofes dignas de nota, mas esta, que trata do batismo do pequeno Luiz, chama a atenção pela palavra pagão, comprobatória do envolvimento do autor com o tema:

Os padrinhos do menino
Também são da região,
O Sr. João Moreira
E Dona Neném, que não
Mediram esforços, Luiz
Deixava de ser pagão.

Pagão é o menino não batizado, segundo a doutrina católica. Outro costume, herdado de Portugal, o de batizar a pessoa com o nome o Sato festejado no dia do nascimento, não foi esquecido por Cacá Lopes:

O nome Luiz Gonzaga
Do Nascimento foi dado,
Na igreja de Exu
O bebê foi batizado
Dia 5 de janeiro
Gonzaga foi consagrado.

O Nascimento, sugestão do padre José Fernandes, deve-se ao fato de o menino ter nascido em dezembro, mês do Natal. O Luiz é uma homenagem à Santa Luzia, festejada a 13 de dezembro, data em que Gonzaga veio ao mundo.

Sobre o Autor

José Edivaldo Lopes, em arte Cacá Lopes, nasceu 24 dia agosto de 1962, no sitio lagoa da onça, há 14 km de Araripina-PE, no sopé da serra do Araripe.  Iniciou sua trajetória artística na Rádio Grande Serra AM em sua terra natal, quando lançou seu 1º disco. Radicado em São Paulo desde 1984, mantém uma carreira consolidada como cantor, compositor e instrumentista, com 6 CDs lançados e várias coletâneas. Como cordelista, é autor de vários folhetos de poesia popular(Luzeiro editora) e adaptou para o cordel o clássico infantil Cinderela, de Charles Perrault.(Ed. Claridade) Percorre escolas e universidades há 18 anos com o espetáculo Música e Cordel nas Escolas, assistido por aproximadamente um milhão de alunos e educadores da rede pública municipal e estadual de São Paulo. É também um dos integrantes do movimento Caravana do Cordel.

Ficha Técnica

Vida e Obra de Gonzagão – O mais completo cordel ilustrado sobre Luiz Gonzaga    

Autor: Cacá Lopes
Editora: Ensinamento
Prefácio: Marco Haurélio
Texto: Assis Ângelo
Capa: Valdério Costa
Ilustrações: Maércio Lopes/Valdério Costa
Nº de páginas: 191
ISBN: 9788562410932
Preço: R$ 32,00












Xilogravura representa a cultura do Nordeste em jogo de ação 2D

O jogo Xilo é uma homenagem a cultura e folclore do Nordeste brasileiro.

Com história e direção de arte do Prof. Rodrigo Motta e desenvolvimento dos alunos Diego Galiza, José Trigueiro e André Torres, conta a divertida e emocionante historia do sertanejo Biliu, que para salvar sua família de uma grave doença precisa recolher partes das xilogravuras sagradas, enfrentando desafios e lendas brasileiras, como a Mula-sem-cabeça, o Curupira, Boitatá, entre outros.

Trata-se de um jogo de ação 2D que se destaca pela sua estética, inspirada em xilogravuras, assim como no uso de rimas de cordel para contar a história, tudo embalado pela trilha sonora da banda Cabruêra. Este vídeo foi feito para o SBGames 2011.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=YQxEKArGMWo[/youtube]

Lançamento do Livro Cinderela em Cordel

CINDERELA EM CORDEL

Cinderela é o conto popular mais difundido no mundo. Em Portugal, o personagem é chamado A Gata Borralheira. A presente adaptação em Cordel, escrita por Cacá Lopes, é baseada na versão de Charles Perrault (1628-1703), recolhida na França, onde a heroína é chamada Cendrillon. O filme Cinderela, dos estúdios de Walt Disney (1950),baseia-se nesta versão francesa. O Cordel dá um toque nordestino a esse conto universal, que há séculos, diverte e emociona crianças e adultos.

Abaixo um trecho do livro:

Vou recontar em Cordel

Uma história de primeira,

Falando de Cinderela

Uma menina faceira,

Também muito conhecida

Como Gata Borralheira.

 

Filha de um homem honrado,

Que, entrando em viuvez,

Quis fugir da solidão,

Casando mais uma vez,

Sem sequer imaginar

A tolice que ele fez.

 

A mulher com quem casou

Era a preguiça em pessoa.

No inicio, pra enganar,

Ela fez papel de boa,

Mas logo demonstrou ser

A megera mais à-toa.

O Autor é
compositor, cordelista e violonista.

Nasceu em Araripina PE, região
encantada da Chapada do Araripe. Foi apresentado a mundo da arte pelo pai,
mestre Elpídio, fazedor de berimbaus. Também foi locutor na Rádio Grande Serra
AM, em sua terra natal.

Radicado em São Paulo, com uma
carreira consolidada como cantor e instrumentista, Cacá já cantou para
aproximadamente um milhão de alunos e educadores da rede pública municipal e
estadual de São Paulo, através do Projeto Cordel nas Escolas(ao lado de Costa
Senna). Já lançou uma dezena de Folhetos de Cordel e seis CDs. Esteve em
dezenas de programas de televisão.

Mais: www.novaalexandria.com.br/home.php

           www.cacalopes.com.br