Arquivo da tag: cultura popular

O canto do santo de casa virou cordel e música

Dizem que santo de casa não faz milagre

O Jornalista paraibano Antonio Carlos escreveu um texto denominado: O Canto do santo de casa e publicou na Revista Eletrônica Ritmo Melodia. Ao tomar conhecimento do mesmo, sugeri adaptar em cordel, assim nasceu o folheto de cordel batizado com o mesmo nome do artigo: O Canto do Santo de Casa.  A obra foi escrita em 24 estrofes em sextilha, publicada pela Rouxinol Rinaré Edições e lançada na Festa Literária Internacional de Paraty – FLIP em 2019.

O texto reescrito em Cordel

Dizem que Santo de Casa

Nascido para brilhar,

Não obra, não faz milagre    

Nem reina em seu lugar,

Essa expressão da Bíblia

Virou “dito” popular.

—————————-

Longe da terra natal

O profeta é bem aceito,

Vivendo em sua aldeia       

Falta-lhe apoio, respeito.

O caminho do estrelato

É espinhoso e estreito.

—————————–

Milagre na sua terra

Santo de casa não faz!

Se brilha em outro canto    

Em casa não é capaz.

Mas se resultar-lhe a fama

O milagre é fugaz.

Cordéis que viraram músicas

O tema do cordel: O Canto do santo de casa trata da desvalorização e falta de incentivo privado e público para com o artista ou profissional de qualquer área em começo de carreira. E tem com inspiração o mote bíblico “Nenhum profeta é reconhecido em sua própria aldeia”.  O Canto do Santo de Casa  se tornou música de 8 minutos e 4 segundos, em ritmo de arrasta-pé. A melodia, a produção musical e interpretação é do paraibano Jailson Silva.  E que sabe um dia pode se tornar um roteiro para um curta-metragem.

Algumas músicas de longa duração

Três minutos é o tempo máximo para uma música que pretende virar hit radiofônico segundo especialistas e as próprias estatísticas. No entanto, muitas canções superaram as previsões e estouraram com uma duração maior do que o previsto.

A música “A Triste Partida” surgiu a partir de um folheto de cordel, é uma toada que tem duração maior, com 9 minutos . Uma espécie de Vidas Secas no cordel, com 19 estrofes, escrita pelo poeta cearense Patativa do Assaré (Antônio Gonçalves da Silva) e gravada em 1964 por outro grande nome da cultura nordestina, Luiz Gonzaga. A letra de “Triste Partida” retrata a falta da chuva, a dura decisão de deixar o sertão, a penosa recepção em São Paulo, Rio de Janeiro e Sudeste. E a perda da esperança de retornar para seu lugar de origem. Essa música antes de tornar sucesso na voz do Rei do Baião já era cantada nas feiras nordestinas pelos repentistas.

Outra música é “Faroeste Caboclo” com 9 minutos e 7 segundos –  um clássico da banda  Legião Urbana e sucesso absoluto nas rádios. Faroeste Caboclo é um mix de baião, sertanejo raiz, rock e reggae, sem refrão se tornou um sucesso e tem maior duração que “A Triste Partida”.  A história de João Santo Cristo virou até filme.

A torcida é para que “O Canto do Santo de Casa” possa ter o mesmo destino de outros sucessos, entre eles os citados na matéria. O poema traz verdades difíceis de serem ditas e relata uma realidade vivida por alguns profissionais que “não fazem milagres em casa” e partem para viverem outras realidade, e desafios em outras cidades.

Bodega do Brasil, um manifesto cultural

Música, teatro e poesia. Tudo de graça. A Bodega do Brasil movimento conhecido por fomentar a cultura popular das mais variadas formas, a partir de 17 de julho acontecerá todo terceiro sábado de cada mês, no Ponto de Cultura Espaço Cultural Periferia no Centro, no prédio da Ação Educativa, localizado no Centro de São Paulo.

Continue lendo Bodega do Brasil, um manifesto cultural