Arquivo da tag: cordel

Abraços e Versos: Um encontro entre o Forró e o Cordel

“Na linguagem do Cordel

Tento desatar um nó,

Para falar da Origem,

Da história do forró

Se vem da expressão for all

Ou é do forrobodó”.

Arte da produtora Suellen Garcez

Primeiramente, quero dizer que é uma alegria inenarrável compartilhar com vocês o ” Abraços e Versos”, esse projeto é a junção de duas linguagens artísticas, e é a arte de Cacá Lopes ! Além disso, quero convidá-los a se juntarem conosco nesta grande conquista da nação forrozeira, a realização do 1º Edital de Fomento ao Forró da cidade de São Paulo.

O Projeto

Em síntese, o projeto “Abraços e versos: Um encontro entre o Forró e o Cordel”, do poeta Cacá Lopes, tem como objetivo mostrar o diálogo entre o Cordel e o Forró, apresentando suas riquezas em 08 vivências online.
Desta forma, a proposta é apresentar como o Cordel pode ser usado como ferramenta de fomento e difusão da cultura forrozeira através das conversas com profissionais e artistas de diversas áreas do Forró, ao mesmo tempo, permitir que o público faça perguntas e comentários sobre os temas a serem debatidos.

As vivências

Para acessar as 8 vivências com profissionais e artistas das diversas áreas do Forró basta clicar no espaço cultural que irá receber o projeto, bem como, para conhecer os artistas clique em seu nome.

  1. Vivência “O Cordel ‘O que é o Forró’” – Convidado: Sandrinho Dupan (Casa de Cultura Freguesia do Ó)
  2. Vivência “Cordel, Repente e Forró” – Convidado: Luiz Wilson (Casa de Cultura Raul Seixas)
  3. Vivência “Como escrever um Cordel” – Convidada: Cleusa Santo (Centro de Referência do Idoso)
  4. Vivência “O Cordel e o Forró como Patrimônios Culturais” – Convidada: Isabel Santos
    (Centro Cultural Santo Amaro)
  5. Vivência “Forró: Dança e Vida Saudável” – Convidado: Professor Vagner (Espaço Cultural Casa Amarela)
  6. Vivência “A história do Cordel” – Convidado: Marco Haurélio (Espaço Cultural Paulo Freire)
  7. Vivência “A história do Forró em São Paulo” – Convidado: Assis Ângelo (Casa de Cultura Santo Amaro)
  8. Vivência “O Cordel na sanfona” – Convidado: Cicinho Silva (Casa de Cultura São Miguel).

As transmissões / Lives

Em abril, serão transmitidas as duas primeiras vivências do projeto: Dia 17, às 18h, no facebook da Casa de Cultura Freguesia do Ó – Salvador Ligabue (@salvadorligabue); Dia 30, às 17h, no facebook da Casa de Cultura Raul Seixas (@casadeculturaraulseixas).

O Cordel “O que é o Forró?

Além das vivências online, serão distribuídos 30 unidades do cordel “O que é o Forró?” para cada instituição cultural que estiver recebendo o projeto. Estes cordéis poderão ser disponibilizados para o público ou serem usados pelas instituições em ações que escolherem.

Realização

Por fim, o projeto “Entre abraços e versos: Um encontro entre o Forró e o Cordel” é realizado pelo poeta Cacá Lopes, pela produtora cultural Suelen Garcez e pela ONG Somjia, com o apoio do 1º Edital do Fomento ao Forró, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.
Informações: (11) 95901-5155 / suelengarcez.produtoracultural@gmail.com

O voo do Pequeno Príncipe com o Pavão Misterioso

Primeiramente quero expressar minha alegria imensurável em compartilhar mais este trabalho, sobretudo por ser mais uma obra que contempla o público infanto juvenil, a exemplo do livro Cinderela em Cordelpara adquirir este livro acesse a Amazon.

Há 12 anos, precisamente em 2009, visitei na Oca do Ibirapuera em São Paulo, uma exposição sobre O Pequeno Príncipe, obra mundialmente conhecida do escritor Francês Antoine de Saint-Exupéry. Em uma área do evento me chamou atenção uma mostra contendo todos os livros traduzidos até aquele ano, aproximadamente em 60 países.

O Pequeno Príncipe em Cordel

Mas faltava uma versão em cordel. Desde então comecei a trabalhar o texto, e ao mostrar para o editor e poeta Marco Haurélio, ele me informou que faltava aproximadamente 10 anos para a obra cair em domínio público, o que facilitaria os trâmites para uma publicação na literatura de cordel. O tempo passou, e alguns colegas poetas lançaram suas adaptações da história do menino que conta história e que continua encantando milhares de leitores mundo afora.

Somente esse ano, 2021 resolvi publicar a minha versão em cordel, onde o enredo da história se passa na Região Nordeste, exatamente na Chapada do Araripe, divisa dos estados de Pernambuco, Ceará e Piauí. Além de fazer uma releitura desta obra magnifica, o cordel chama atenção do desmatamento excessivo na região, de tal forma que remete ao deserto do Saara, cenário da primeira versão do livro.

O Pequeno Príncipe nas “banda” do Sertão

No meu cordel até mesmo um papagaio dialoga com o Pequeno Príncipe que na história pega um “bigu” (carona) com outro personagem também muito conhecido da literatura brasileira, o Pavão Misterioso, clássico da poesia popular, de José Camelo de Melo.

Deixo para apreciação quatro estrofes, as duas primeiras e as duas últimas. Para conhecer a história completa entre em contato com o autor desses versos.

1

Na varanda do saber

Um belo livro encontrei,

Li, reli diversas vezes

Sempre me emocionei.      

Com a lira do sertão

Fiz dele nova versão

Em cordel o transformei.

2

Um mundo de reflexões

Desta obra conhecida,

Retratando o ser humano

Toda a essência da vida,       

E o valor da amizade

Do amor, perda e saudade

De chegada e de partida.

3

Da sombra de uma árvore

Ele saiu de mansinho,

Junto com o seu carneiro

Foi seguindo seu caminho,     

Numa nave prateada

Reluzente, encantada

Foi embora o Principezinho.

4

Ao visitar os planetas

O Príncipe com emoção,

Nos ensina que amar

É ver com o coração,            

Para poder bem enxergar

É preciso junto olhar

Numa mesma direção.

Reinventar é a arte dos que desejam continuar caminhando

“Se quer ir rápido, vá sozinho;

Se quer ir longe, vá em grupo.”

Tempos de reflexão

Certamente com os tempos reflexivos que estamos vivendo ou melhor sobrevivendo, percebemos que, acima de tudo, a capacidade de se reinventar é a grande vantagem que o ser humano pode conscientemente se vangloriar. Assim sendo, o artista pernambucano, Cacá Lopes, desde a sua infância aprendeu a ressignificar as possibilidades que a vida lhe incorria. Quando tinha apenas dois anos de idade contraiu poliomielite / paralisia infantil por conta da sequela perdeu o movimento do braço esquerdo, em virtude de sua paixão pelo violão desde criança, aprendeu tocar com apenas três dedos da mão direita e vive exclusivamente de sua arte.

Arte de Onézio Cruz

Cacá Lopes é um artista diverso, para bem dizer, completo. É cantor, compositor – com aproximadamente cento e sessenta composições escritas, violonista, cordelista e educador social. Contudo, viver de arte, obviamente requer criatividade e disposição, desta forma, ele não apenas faz trabalhos solo, como também com coletivos.

Projetos solo: Shows – voz e violão, palestras e oficinas. Desenvolve desde 1995 o Projeto Música e Cordel nas Escolas – assistido por milhares de alunos e educadores da rede pública e privada da cidade de São Paulo e interior paulista.

Como diz o Provérbio Africano “Se quer ir rápido, vá sozinho; Se quer ir longe, vá em grupo.” Cacá Lopes compreendeu bem este conceito, neste sentido, é um dos fundadores dos Coletivos: SP Cordel, SP Forró e integra o Fórum Estadual do Forró. Coordena há onze anos o Sarau Bodega do Brasil juntamente com o amigo, parceiro e fundador do sarau, o poeta Costa Senna.

Projeto Música e Cordel nas Escolas

PROJETO CORDEL NAS ESCOLAS: o cordel como ferramenta pedagógica é um evento multidisciplinar que acontece nas escolas de São Paulo. Com a finalidade de difundir a arte dos versos e das rimas na sala de aula, contribuindo, desta forma, com a formação de jovens leitores e apreciadores deste gênero literário.

O Sarau Bodega do Brasil

O Sarau Bodega do Brasil: encontro de culturas populares atua desde outubro de 2009, promove um encontro por do mês, das 18 às 22 horas, os encontros mensais acontecem no auditório da Ação Educativa na Vila Buarque, região central da capital. Trata-se de um amplo encontro de culturas populares, com destaque para a cultura nordestina: cordel, repente, aboio, embolada, poesia, dança e muita música brasileira.

Desta maneira, fomentando a arte e o gosto pela poesia e pela música, o artista pernambucano tem superado os desafios corriqueiros da vida e principalmente se reconhecido em particularidade.

O canto do santo de casa virou cordel e música

Dizem que santo de casa não faz milagre

O Jornalista paraibano Antonio Carlos escreveu um texto denominado: O Canto do santo de casa e publicou na Revista Eletrônica Ritmo Melodia. Ao tomar conhecimento do mesmo, sugeri adaptar em cordel, assim nasceu o folheto de cordel batizado com o mesmo nome do artigo: O Canto do Santo de Casa.  A obra foi escrita em 24 estrofes em sextilha, publicada pela Rouxinol Rinaré Edições e lançada na Festa Literária Internacional de Paraty – FLIP em 2019.

O texto reescrito em Cordel

Dizem que Santo de Casa

Nascido para brilhar,

Não obra, não faz milagre    

Nem reina em seu lugar,

Essa expressão da Bíblia

Virou “dito” popular.

—————————-

Longe da terra natal

O profeta é bem aceito,

Vivendo em sua aldeia       

Falta-lhe apoio, respeito.

O caminho do estrelato

É espinhoso e estreito.

—————————–

Milagre na sua terra

Santo de casa não faz!

Se brilha em outro canto    

Em casa não é capaz.

Mas se resultar-lhe a fama

O milagre é fugaz.

Cordéis que viraram músicas

O tema do cordel: O Canto do santo de casa trata da desvalorização e falta de incentivo privado e público para com o artista ou profissional de qualquer área em começo de carreira. E tem com inspiração o mote bíblico “Nenhum profeta é reconhecido em sua própria aldeia”.  O Canto do Santo de Casa  se tornou música de 8 minutos e 4 segundos, em ritmo de arrasta-pé. A melodia, a produção musical e interpretação é do paraibano Jailson Silva.  E que sabe um dia pode se tornar um roteiro para um curta-metragem.

Algumas músicas de longa duração

Três minutos é o tempo máximo para uma música que pretende virar hit radiofônico segundo especialistas e as próprias estatísticas. No entanto, muitas canções superaram as previsões e estouraram com uma duração maior do que o previsto.

A música “A Triste Partida” surgiu a partir de um folheto de cordel, é uma toada que tem duração maior, com 9 minutos . Uma espécie de Vidas Secas no cordel, com 19 estrofes, escrita pelo poeta cearense Patativa do Assaré (Antônio Gonçalves da Silva) e gravada em 1964 por outro grande nome da cultura nordestina, Luiz Gonzaga. A letra de “Triste Partida” retrata a falta da chuva, a dura decisão de deixar o sertão, a penosa recepção em São Paulo, Rio de Janeiro e Sudeste. E a perda da esperança de retornar para seu lugar de origem. Essa música antes de tornar sucesso na voz do Rei do Baião já era cantada nas feiras nordestinas pelos repentistas.

Outra música é “Faroeste Caboclo” com 9 minutos e 7 segundos –  um clássico da banda  Legião Urbana e sucesso absoluto nas rádios. Faroeste Caboclo é um mix de baião, sertanejo raiz, rock e reggae, sem refrão se tornou um sucesso e tem maior duração que “A Triste Partida”.  A história de João Santo Cristo virou até filme.

A torcida é para que “O Canto do Santo de Casa” possa ter o mesmo destino de outros sucessos, entre eles os citados na matéria. O poema traz verdades difíceis de serem ditas e relata uma realidade vivida por alguns profissionais que “não fazem milagres em casa” e partem para viverem outras realidade, e desafios em outras cidades.

Navegar é preciso, Cacá Lopes retorna as atividades no site

“Porque a arte, acima de tudo, é que nos move”

Olá amigas e amigos! Estamos de volta ao site.

Antes de mais nada, voltamos as atividades do site depois de um período de ausência, primeiramente saliento que retornar ao dinamismo das redes é um prazer inenarrável. Faço votos que a partir de agora possamos compartilhar nossa agenda de saberes e as belezas que a vida tem para nos ofertar.

O trabalho continuou

Nesse sentido, durante esse tempo que ficamos fora do ar, semeamos arte em muitos cantos e lugares. Porque a arte, acima de tudo, é que nos move. A música e a poesia nos fortalece como ser humano e nos transforma enquanto sociedade.

Estivemos na luta juntamente com os amigos buscando fortalecer o Cordel e o Forró, essa duas expressões que são referenciais em minha arte. Conseguimos alguns avanços, entre eles: o reconhecimento do cordel como patrimônio imaterial e cultural do Brasil, em 2018; O Programa Municipal de Fomento e Difusão do Forró, nesta primeira edição fomos contemplados com as Oficinas: Abraços e Versos: Um Encontro Entre O Forró E O Cordel, 2020.

Nesse meio tempo, lançamos músicas, livros, cordéis, o DVD Cantos Gerais, estreamos na FLIP – Festa Literária Internacional do Livro de Paraty- RJ com o grupo SP Cordel em 2019. E participamos de lives e mostras virtuais de artes, 2020.

Ocupando os territórios culturais

Ao longo deste período percorri SESCs; Bienais de Livro; Feiras Literárias; Saraus; Escolas e Universidades em projetos solo – Cordel nas escolas , com o Sarau Bodega do Brasil, SP Cordel e Cordel na Pauliceia.

Nesse ínterim, realizamos shows no Encontro Estéticas das Periferias, no Festival Forró da Garoa, com o Coletivo Bloco do Baião participamos de carnavais de Rua em Itaquera, São Miguel e no Centro. Além disso, atuo, com os coletivos SP Forró e Fórum Estadual do Forró, em suma, promover o Cordel e o Forró tem sido uma constante na minha carreira artística.

Juntamente com outros artistas e trios de forró circulamos as casas de cultura de Santo Amaro, Freguesia do Ó, e outras da Zona Leste. Prestamos homenagens a Jackson do Pandeiro no CTN – Centro de Tradições Nordestinas -no ano do seu centenário, 2019. E a Pedro Sertanejo, o desbravador do forró em São Paulo, no Festival SP Forró em casa. Além de tributos anuais a Luiz Gonzaga, o Rei do Baião.

Tenda do Cordel no Arraial São Paulo – 2013

A Secretaria Municipal de Cultura e Rede Globo promovem no Vale do Anhangabaú-SP, O ARRAIAL SÃO PAULO.

O evento contará com dois palcos e vários Shows. Nomes como Zé Ramalho, Alceu Valença, Anastácia e diversos Trios de Forró Pé de Serra foram contratados.

A Literatura de Cordel e a gastronomia também foram contempladas.
Na TENDA DE CORDEL CHAPÉU DE PALHA – que estreou no Centenário de Gonzagão, ano passado, vai receber Artistas, poetas cordelistas integrantes  da CARAVANA DO CORDEL e da BODEGA DO BRASIL. Os convidados: João Gomes de Sá, Varneci Nascimento, Cacá Lopes, Costa Senna, Cleusa Santo, Moreira de Acopiara, Pedro Monteiro, Marco Haurelio, Luiz Wilson e Eufra Modesto. Repentistas convidados: Adão Fernandes e João Doto. Exposição, leituras, música e interpretação de cordéis, poemas e apresentações de cordel musicado com trava-língua e pitadas da obra de Luiz Gonzaga. | Dias 6 e 7, das 14h30 às 22h
FEIRA GASTRONÔMICA CHEFS NA RUA | Dias 6 e 7, das 14h30 às 22h (preços populares)
Shows no palco 1
QUATRO ASES DO FORRÓ: ANASTÁCIA, AMELINHA, DUANI E MILENA | Dia 6, 16h
ALCEU VALENÇA | Dia 6, 19hVer mais